Neste blog você encontrará fragmentos de textos, poemas, músicas, imagens, dicas de leitura, enfim, coisas relacionadas à literatura, à arte e à nossa lingua e cultura.

Seja bem-vindo!!

sexta-feira, 18 de setembro de 2009


Meus oito anos

Oh! Que saudade que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais
Que amor, que sonhos, que flores
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!

[...]

(Casimiro de Abreu)


Meus oito anos

Oh! Que saudade que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais
Naquele quintal de terra
Da Rua de Santo Antônio
Debaixo da bananeira
Sem nenhum laranjais

[...]

(Oswald de Andrade)


O texto de Oswald, não é uma mera citação do texto de Casimiro. Com seu poema, Oswald pretendia dialogar com o poeta romântico, contrapor dois discursos, duas ideologias, duas formas de ver o mundo. Para Oswald, a infância é uma fase muito mais simples e concreta da vida do que para Casimiro, que a vê como sinônimo de perfeição, "amor", "sonhos", "flores".

Podemos dizer que há entre os dois textos uma relação de intertextualidade e também de interdiscursividade. A intertextualidade é a relação entre dois textos por um citar o outro; a interdiscursividade é a relação entre dois discursos caracterizada por um citar o outro. Sendo ainda que, além dessa relação de intertextualidade (de um texto se comunicar com o outro), há também a questão da sátira, pois Oswald brinca com o Romantismo. Então podemos dizer que o segundo texto é uma paródia que satiriza o primeiro. Paródia: é um tipo de relação intertextual em que um texto cita outro geralmente com o objetivo de fazer-lhe uma crítica ou inverter ou distorcer suas ideias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário